“Fake news” e perda do ‘lumen rationis’

Esse texto é apenas a constatação de um fato.

É assunto conhecido de todos, de que vivemos em uma época em que as chamadas ‘Fake News‘ (notícias falsas) brotam como mato. Essas notícias tendem a se espalhar mais rapidamente quando são chocantes, improváveis, e sobretudo, quando tratam de algum assunto político, ideológico, ou, claro, religioso.

Em boa parte dos casos, o autor é um oponente ou um desafeto, que prefere ficar no anonimato.

As pessoas compartilham essas mentiras sem se darem ao cuidado de verificar de onde elas procedem, quem as escreveu, e, em muitos casos, é quase inútil esclarecer a verdade, pois a notícia falsa tem a seu favor diversos fatores, dentre eles a ignorância e o analfabetismo funcional – aliás, bastante disseminados no Brasil.

Isso significa que o analfabeto funcional – aquela pessoa que passou pela escola, mas tem pouco ou nenhum discernimento e não sabe interpretar textos – é um prato cheio para engolir tudo que for repassado a ela.

Esse tipo de pessoa passou grande parte da vida auferindo informações na televisão, e, em determinado momento, passou a ter em mãos um ‘smarthphone’ com acesso a Whatsapp, Facebook e Youtube, sem nenhuma capacidade extra de discernimento. Esse é o famoso ‘tiozão do Whatsapp’, que repassa as notícias mais improváveis, sem saber que boa parte delas foi feita para causar confusão proposital. Um dos melhores exemplos acerca do poder malévolo das ‘fake news’ é o ressurgimento de várias doenças, graças a mães que deixaram de vacinar seus filhos porque deram ouvidos a boatos da internet. Outro exemplo recente é o da divulgação de falsas oportunidades de emprego, coisa que sempre engana muitas pessoas.

Quase ninguém famoso escapa das notícias falsas. A coisa é tão generalizada que em Portugal chegaram até a lançar um livro só para tratar das diversas ‘fake news’ acerca do Papa Francisco.

Nesse contexto, é claro que, cedo ou tarde, os Arautos do Evangelho também seriam um campo fértil para os semeadores e devoradores de ‘fake news’. Só que, no caso específico, essas notícias não tem atingido tanto os ‘tiozões’, mas sim ‘tiazonas’, das quais algumas tem filhos na instituição. Aliás, uma parte desse fenômeno também é explicado no post sobre a origem do ódio religioso.

Enfim, cada época com sua mazela.

Alguns já chamam o século XXI de ‘Era da Pós-Verdade’ – termo utilizado para indicar a prevalência de debates onde se utilizam de insinuações, subentendidos, falta de contexto, e supervalorização de aspectos insignificantes, de forma a expor alguém à repulsa de uma espécie de ‘tribunal do povo’.

Nossa época também tem sido chamada de  ‘Era da Ignorância’, ou ‘Era da Burrice’ – algo que, em certa forma, coincide com aquilo que Dr. Plinio, nos idos de 1974, denominava como ‘perda do lumen rationis‘ (luz da razão):

    O apagamento do lumen rationis: Não é mais apenas o lumen Christi, mas daquilo que lhe é o pressuposto, ou seja, do lumen rationis. O ‘lumen Christi’ está para o ‘lumen rationis’ mais ou menos como o fogo está para o pavio.
    É a luz da razão natural, do bom senso, do equilíbrio natural – que era antigamente o patrimônio de qualquer vendeiro na esquina, de qualquer engraxate, de qualquer verdureira – que hoje em dia se apaga, dando origem a um estado psicológico em que todas as contradições, todas as incoerências, todos os absurdos são ingeridos com uma normalidade, a qual, para se lhe dar bem exatamente o nome, merece o nome de cinismo, porque o próprio do cinismo é exatamente a insensibilidade ante a verdade claramente reconhecida como tal, ante o bem claramente reconhecido como tal, ante a distinção entre a verdade e o erro e o bem e o mal
(Plinio Corrêa de Oliveira, conversa 24/12/1974).

 

Ora, se contra cínicos e ignorantes é inútil expor a verdade, em certos casos é melhor levar em conta que a divulgação de notícias falsas pode configurar crime, e assim, compensa mais que determinadas respostas sejam simplesmente dadas através da Justiça. Quando a pessoa difamadora perder uma oportunidade de emprego por ter antecedente criminal, ou quando o bolso esvaziar devido a uma indenização, aí talvez ela entenda o preço de se aferrar a uma falsidade…

8 comentários sobre ““Fake news” e perda do ‘lumen rationis’

  1. No ato de mentir, mentir… E mentir… Um pouco ficará….
    Infelizmente, as fofocas , mentiras e calúnias são o veneno que corrói e destrói aos poucos a verdadeira imagem dos filhos da luz!
    Temos certeza que a luz da verdade , sempre brilhará , e cada vez mais, e mais apesar das investidas infernais!!!!

    Curtir

  2. Vcs nunca irão destruir os ARAUTOS do evangelho. Sabe porque?.porque Maria a mãe de nosso Sr. está do lado deles .protegendo em seu manto.24 hs por dia.

    Curtir

    1. E impressionante. Quanto mais vcs criticam está ordem. Mais ela cresce.arautos do evangelho.a ordem mais abençoada em 76 países.ser arautos e ser Maria. E SALVE MARIA.SALVE ARAUTOS DO EVANGELHO.as críticas servem para mostrar que estamos no caminho certo..mais criticado que foi Jesus. Impossível. Jesus Maria e José. ROGAI por nós.

      Curtir

  3. E uma geração que sempre de a busca Google e Wikipédia.. não estudam para sequer ter um mínimo de argumentos!
    E a maioria ficam no anonimato… Maledicência e pecado e crime!

    Curtir

  4. Dr Plínio falou isso ontem? Pois parece que ele está escrevendo para nós hoje , tantas escritas para o futuro que estamos vivendo , simplesmente “profecias” que alguns achava exagero na época , e hoje constatam a realidade vivida por Dr Plínio a décadas atrás , santidade vivida até o fim,

    Curtir

  5. Sensacional a explicação de Dr. Plinio!!!
    Esse pessoal anti-arautos padece da mesma doença mental que os terraplanistas. Ou seja, perda do Lumen Rationis, cinismo diante da verdade.

    Curtir

  6. Essa questão das ‘Fake News’ é tão perigosa que já notei até em pessoas simpatizantes dos Arautos a tendência a acreditar em alguns tipos de notícias falsas sobre saúde,sobre política,etc.Basta a notícia falsa vir de duas fontes diferentes para que as pessoas comecem a acreditar.Concordo que em certos casos é melhor o processo na justiça do que ficar tentando mostrar a verdade para os caluniadores.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s