Filhos mudam…

Nessa semana, no prédio onde trabalho, uma colega de serviço veio me mostrar no celular uma foto da filha dela – uma simpática criança de uns 8 ou 9 anos de idade.

Essa colega me disse, toda sorridente: “Olha só como ela está crescendo”.

Em seguida, acrescentou: “Ai meu Deus, preciso aproveitar ao máximo essa fase, porque sei que daqui a alguns anos ela não vai querer saber de mim”.

Nesse momento, em questão de segundos, tive um cruzamento de ideias, e logo me veio à mente a ‘gritaria’ causada pela quadrilha de ‘ex-arautinhos(as) infernais’.

Então continuei puxando o assunto com ela:

“Mas como assim, ela ‘não vai mais querer saber de você’?

E ela me respondeu:“Mas é assim, você não sabia? Quando viram adolescentes eles ficam com vergonha dos pais. A diretora da escola sempre me diz isso: aproveite, que essa fase vai passar, aperte e beije bastante a sua filha, porque quando chegar nos 12, 13 anos, ela vai esfriar, não vai mais querer estar com você”.

Quando ela disse isso, uma segunda colega, que estava quieta no computador, se virou e acrescentou:

“Olha, é isso mesmo viu… quando entrou na adolescência, minha filha me evitava e não queria mais me beijar na frente dos colegas”.

E uma terceira funcionária, mais ao fundo, mãe de duas adolescentes, também entrou na conversa:

“Pessoal, se fosse só pelo beijo estava bom. A minha não queria nem que eu pegasse ela na porta da escola. Queria que eu esperasse ela na esquina, para os colegas não verem que estava indo embora comigo. Quando ela me veio com essa ideia, eu respondi: então se é assim, nem vou mais te buscar, se vire para voltar para casa. Aí ela recuou e aceitou.”

E todas começaram a rir.

Eu também ri, mas foi um riso meio ‘sagaz’ – eu tinha acabado de constatar mais uma ‘bola-fora’ da ‘quadrilha anti-arautos’.

Afinal, essa situação de ter vergonha dos pais na frente de colegas – que essa ‘minoria barulhenta’ acusa os Arautos de ‘implantar’ na cabeça dos jovens – nada mais é que uma situação mais ou menos corriqueira da fase da adolescência. Claro que, se for em excesso, deve ser corrigida (como uma irmã já nos relatou ter feito). Mas, no geral, é algo esperado de qualquer jovem normal.

Dando uma pesquisada básica na internet, encontrei vários artigos sobre isso, e pelo visto a coisa é bastante comum. Entre os textos que encontrei, estava esse abaixo:

A vergonha surge em um “momento de auto-afirmação perante o grupo, que começa a surgir a partir dos 9 anos de idade e perdura até o final da adolescência”, explica a psicóloga e psicopedagoga Eliana de Barros Santos. De acordo com a especialista, o comportamento acontece em todos os ambientes em que a criança precisa se posicionar e firmar uma identidade. “Não acontece só na escola, mas também em condomínios ou clubes”, conta Eliana.

Algumas atitudes são especialmente rejeitadas pelos filhos. “Andar de mãos dadas, beijar e outras manifestações de afeto costumam ser terríveis para os meninos, que associam demonstrações de sentimentos amorosos com sinais de fraqueza”, explica Eliana. É comum, por exemplo, o jovem estar segurando a mão da mãe e, ao avistar um colega, soltar rapidamente. Para os mais crescidos, a partir dos 13 anos, a questão sócio-econômica familiar costuma ser um fator a considerar, além da aparência dos familiares. “Aí vem a vergonha do modo como os pais se vestem, se comportam no meio social, onde moram e até como se divertem”, diz Eliana.

Na adolescência, os pais precisam respeitar o período de mudança pelo qual o filho está passando. Maria Edna conta que no fundo os filhos costumam se orgulhar dos pais, mas a fase exige compreensão. “Os pais devem respeitar o momento de reorganização do filho e não insistir para que as coisas sejam diferentes. Apesar de ser difícil, é uma fase natural e delicada, que tende a passar”, conta Maria Edna. “O importante é não insistir em atitudes que causem constrangimento ao filho”, resume.

                                                                                                             (Fonte: Revista Deciframe)

Pensando por esse lado, realmente não me recordo de ter visto, nos Arautos, membros mais antigos tendo problemas com famílias, e nem estimulando outros a criarem confusão. Pelo contrário, corrigem esse tipo de conduta.

E agora sei que essa necessidade de ‘mostrar desapego’ é própria daqueles em fase de amadurecimento, e que o estímulo para isso vem de outros amigos da mesma faixa etária, igualmente imaturos. É ÓBVIO que nos Arautos é assim que também acontece.

Uma realidade que existe mundo afora, que não é promovida pela instituição, e que é histericamente deturpada por pessoas contrárias: “Minha filha não me beija mais depois que entrou para os Arautos”, “os Arautos estimulam ódio aos pais”, “os Arautos não respeitam o quarto mandamento“, etc.

Ao final de tudo, qualquer pessoa de bom senso poderá perceber que, enquanto certas criaturas da ‘quadrilha-antiarautos’ fazem um escarcéu, pessoas normais tratam isso como algo já esperado, e até dando risadas…

Mais uma ‘meia-verdade’ que cai por terra…graças a uma conversa banal entre colegas de trabalho.

 * Por um ex-arauto de Minas

 

Outros artigos sobre o assunto:

https://mdemulher.abril.com.br/familia/filhos-que-sentem-vergonha-das-maes/

https://epoca.globo.com/vida/noticia/2014/12/dores-da-adolescencia-bpara-os-paisb.html

 

 

49 comentários sobre “Filhos mudam…

  1. Eu não entendo por que essas meia dúzia de pessoas estão criticando os Arautos do Evangelho por, como dizem, separar os filhos dos pais, que não é verdade. Tenho visto centenas de pais e mães chorarem por serem abandonados por seus filhos que muitas vezes precisam de ajuda ou simplesmente companhia e preferem estar nas ruas, botequins usando drogas e se prostituirem etc. do que estarem com os pais e ninguém levanta uma bandeira conta um botequim, danceteria ou outras coisas piores. Também conheço uma quantidade de gente que prefere ver seus filhos nas ruas, fazendo sabe lá o que, só para não serem perturbados em seus divertimentos, para estes também não existem protestos. Outros também, mandam seus filhos para longe, para se formarem em alguma profissão, também nunca vi nenhum jornal ou revista acusarem esses pais e instituições.
    Pelo contrário, não há pai ou mãe que tendo seu filho ingressado nós colégios dos Arautos que não percebem a mudança em seus filhos para o bem.

    1. Mano, deixo aqui o meu numero de celular, (11) 95780-4212, vem falar comigo, eu tenho uma irmã la dentro, você não sabe de merda nenhuma e vem falar aqui q é a favor do arautos? Me poupe, vamos trocar uma ideia. Pode ter certeza mais q absoluta q eu mudo seu pensamento em 10 minutos conversando.

      1. Bem, pelo teor de seu comentario, da para ver que;
        esta muito nervoso e com ódio, é agressivo e imperativo alem de ser extremamente possecivo…
        Da para ter uma ideeia de porque se sente alienado pela tal irmã que voce diz ter, mas me parece que isto não é culpa dos Arautos, e alias exite tratamento para isto.
        e trate de se comportar com a linguagem, não estas em sua casa….

      2. E ai Gabriel??? Não quer discutir em publico? Só por telefone, onde não fica feio gaguejar???
        Mostre-me se tens algo na cabeça, além de excrementos, é claro, como já soltou em seu comentário.

      3. Já que você consegue mudar qualquer pensamento “em 10 minutos conversando”, por que ainda não conseguiu convencer a própria irmã de deixar os Arautos?

        Você pensou antes de escrever?
        Não percebe que se traiu pelo próprio comentário?

        Te dou 10 minutos para formular uma resposta.

        1. Tá difícil manter a posição de valentão….esse não vale 2 caracóis.
          Agora, é covardia carioca!!! chutar esse cachorro morto….
          faço minhas as palavras do Sanches;
          E ai Gabriel??? Não quer discutir em publico? Só por telefone, onde não fica feio gaguejar???
          Mostre-me se tens algo na cabeça, além de excrementos, é claro, como já soltou em seu comentário.

    2. Concordo com vc! Sou grata aos arautos por terem aceitado meu filho na instituição. Meu filho arauto me liga toda semana, sempre muito preocupado com a familia. Tenho outro filho adolescente em casa que fala menos comigo do que esse que está na instituicao. Entao como já disse para algumas pessoas, que se tivesse 10 filhos e todos quisessem ir para a instituicao, eu deixaria de bom gosto!! Salve Maria!!

  2. Quero dar meu testemunho por aqui. Realmente na adolescência isso acontece, filhos sentem vergonha dos pais! E a fase do meu filho chegou logo que ele foi convidado a participar dos projetos dos Arautos do Evangelho.
    Eu como mãe, comecei a perceber que ele estava me evitando, sentia vergonha de mim, passava longe, eu comecei a entrar em sofrimento com isso e sim, cheguei a pensar que os Arautos estavam implantando coisas para afastar meu filho de mim e que Deus me perdoe por isso. Fiz o que seria certo, marquei um horário com o Padre e ele me aconselhou, conversou e disse que juntos iríamos trabalhar no meu filho sobre tudo o que estava se passando. Pois a missão dos arautos é tornar a família mais próxima e não teria sentido afastar um filho de uma mãe. Eles não sabiam que isso acontecia até que eu resolvi expor. Hoje sou extremamente grata por tudo que os arautos vem fazendo em nossas vidas, depois disso meu filho passou a me ligar sempre que está longe de mim, passou a conversar mais e expor seus pensamentos, ficou mais próximo, mais carinhoso e eu aprendi a rezar a o terço todos os dias como se fosse parte de mim por conselho do padre e passamos a ir a missa toda semana. Sinto gratidão por tudo e por todos os ensinamentos que meu filho está tendo a oportunidade de receber! Sem palavras para agradecer toda a transformação que estamos vivendo em nossa família.
    E sim, se vc mãe está lendo esse depoimento e se passa por isso o mais certo a fazer é expor seu problema, suas angústias e suas dúvidas primeiro antes de se retrair e tirar suas próprias conclusões, fazer julgamentos. Arautos do Evangelho existe para nos ajudar e auxiliar nesse mundo complicado e jamais fazer o mau. Tenho certeza que se procurar ajuda, eles irão te auxiliar da melhor maneira! Salve Maria!!!

    1. Que lindo seu relato Dna Gabriela! Que Deus continue abençoando essa nobre e belíssima vocação do seu filho, tenho um primo nos Arautos, ele só nos tras alegria e vontade de ser melhores a cada dia. Salve Maria!

  3. Quadrilha anti-arautos está com medo, sobretudo porque alguns receberam oficial de justiça, agora foram pedir ajuda, istoÉ, mas como não teve a repercussão esperada, agora VEJAm.
    avis-rara e o morador dos pampas, não desistem! até quando?

  4. Parece que a quadrilha anti-arautos já esta liquidada, já não sai barro deste esgoto,
    o remédio é partir para outro intento, ISTO É, chamar os loucos para “testemunhar“
    pois quem é são da cabeça não entra nessa….
    Não perdem por esperar, o que esta reservado para eles, nem sequer podem imaginar, estão acostumados a denegrir e manipular noticias contra todo tipo de pobres e impotentes, mas agora encontraram pela frente “ALGUNS CATÓLICOS DIFERENTES!!! Que partem para a luta como se fossem para um banquete uma festa…“

      1. Bom mesmo vai ser quando os tiros começarem a sair e os pseudos gigantes tombarem levando em sua queda toda esta podridão…..
        Lenha par queimar no inferno, gente que meia hora antes de morres já estarão ardendo nas chamas infernais.
        Boa pontaria Caçador!!!

        1. Só que desta vez não será mais como Davi e Golias… Será tão fácil como acertar em pombinhos ou lebres. Pois a final de contas não passam de porcos imundos!

        2. Que lindo seu relato Dna Gabriela! Que Deus continue abençoando essa nobre e belíssima vocação do seu filho, tenho um primo nos Arautos, ele só nos tras alegria e vontade de ser melhores a cada dia. Salve Maria!

          1. Desconsiderem esse comentario acima…foi em resposta a um comentário logo acima e sem querer publiquei ele aqui tbm…só q nao consegui apagar…🤗

  5. Perfeito…
    Contra fatos não há argumentos… Essa é a verdade, pura e simples.
    Que Deus continue abençoando a todos deste blog, com a proteção de Maria Santíssima.

  6. O problema é real, mas imaginem como deve ser as vidas de um(a) jovem que tem um pai pinguço, uma mãe histérica, e uns irmãos loucos como rasputim? O que fazer?

  7. Ser adolescente , é ser de outro mundo que não seja o dos pais , não importa raça, religião ou cor , mas passa , como passamos , tendo fé e amor pelas provações , que Deus nos manda, seremos sempre felizes , quem reclama da comida que comeu , era só não ter comido , quem reclama da educação que lhe deram , é por que não aprendeu como devia , e pior são os que abandonam o chamado por Deus e se entregam ás extravagancias do mundo , indo de abismo em abismo , e colocando as culpas nos outros desde que não seja dele. Falta de caráter e vergonha , desses podemos esperar as piores calunias e barbaridades .

  8. Discutir com quem ataca os Arautos é igual a discutir com protestante, ficam girando em círculos.
    Nada do que você diz por mais irrefutável que seja faz efeito.

  9. Na pseudo-reportagem da revista metrópoles, uma jovem que alegava ter pertencido a ordem II dos arautos, culpava a instituição que alegadamente tinha pertencido, pelo facto de ela durante a adolescência não gostar de ver os peitos a crescerem. Ora, é extremamente comum na adolescência, o indivíduo não gostar as transformações operadas pelos hormônios. Os rapazes odeiam a voz que vai engrossando, a protuberância no pescoço, os pelos e etc.
    Para a quadrilha, os dramas da adolescencia são provocados pelos AE.

  10. Quem de nós não passou por isso quando adolescente?
    Posso dizer das minhas filhas que estão nos Arautos há 15 anos que com elas foi até o contrário. Até pela própria formação lá, sempre tiveram conosco muita atenção e carinho. Fomos “poupados” dessa fase de “rejeição”.

  11. Tenho dois filhos os dois são adolescentes uma menina com 16 anos e um garoto com 19 há 16 anos ainda tem vergonha não só dos pais mas de todos aqueles que são mais velhos o dia 19 eu já passou essa fase e volta a querer ter contato com os pais e se a coisa mais natural e normal do mundo o problema dos anti Arautos é que os mesmos vivem no mundo da lua eles querem um mundo que não é o mundo real e acusa os Arautos de não viverem a realidade

  12. Gostei do artigo Filhos mudam….
    Mas gostaria de saber também, se os anti arautos tem alguma meta, algum objetivo na vida ou se só sabem falar mal de quem teme a Deus e observa seus mandamentos.
    Custo acreditar que país se unam a essa gente, depois de ter tido a grande graça de conhecer os Arautos .

  13. Qualquer pessoa de um bom senso poderá perceber que, enquanto certas criaturas da ‘quadrilha-antiarautos’ fazem um escarcéu, pessoas normais tratam isso como algo já esperado, e até dando risadas. Será que os pais da ´quadrilha-antiarautos´dão testemunho aos filhos e os tem sempre ao seu lado?

  14. O problema não é os jovens ter ou não vergonha dos pais, o problema é o ódio que os anti arautos tem da prática da virtude, tem um verdadeiro ódio de quem resolve viver sobre o manto de N. Sra.

  15. Na verdade, o mundo afasta nesmo nossos filhos da gente. Falo por experiência, pois passei por isso. O que trouxe meus filhos de volta para mim foram os Arautos. Não moram lá, mas frequentam e dois dos cinco já são terciários. E o que morou na época da adolescência passou por esta fase em completa união comigo. É um filho exemplar, nunca sequer me respondeu mal. Em tudo me respeitou e ainda respeita. Sempre preocupado comigo. Com ele não teve essa “coisa” de adolescência.

      1. Tenho duas filhas que conviveram algum tempo na casa dos Arautos. Adquiriram uma formação que certamente na família não teriam. Hoje (uma delas) trabalhamos no mesmo local em repartições diferentes e sempre sou abordada por ela: vim te ver estava com saudades….ah, moramos na mesma casa!
        Bendigo aos Arautos do Evangelho que lapidou suas almas.

      2. Acho que a seita anti arautos, estão passando por uma eterna adolescência, onde tudo é complexo. Tudo se contrária, tudo se questiona. Quem sabe um dia amadureçam e consigam aceitar as mudanças que acontecem não só em suas vidas, mas sobretudo nas vidas dos filhos?

    1. Sou assistente social, sou terciária dos Arautos e tenho 3 filhas na Instituição e queria dizer que quando uma filha deixa a casa da família para seguir esta vida religiosa, nós enquanto pais, não perdemos uma filha, pelo contrário, nós ganhamos muitos filhos. Todos nos tratam com tanto respeito, afeto e bondade , que estimamos a todos como se fossem da mesma família, pois o laço que une a todos é caridade cristã, que aprendemos com Mons. João.
      Agora se analisarmos a falta de respeito dos jovens que seguem as máximas do mundo, não somente em relação aos pais, mas como também em relação às pessoas idosas , é de assustar.
      Uma mãe que tem a graça de ter um filho nos Arautos precisa agradecer muito a Nossa Senhora e pedir, que se de fato esta for mesmo a vocação, que Ela dê a perseverança nesta belíssima caminhada rumo à santidade.

  16. A meu ver essa questão do adolescente ter vergonha dos familiares depende muito do familiar e da educação que o adolescente recebeu desde que nasceu. Digo isso porque tenho um casal de filhos, uma menina de 14 anos e o menino de 12 anos, ambos nos Arautos, e ao contrário de terem vergonha, principalmente depois de entrarem para os Arautos eles me querem sempre por perto, cobram para que eu esteja nos eventos e fazem questão de me apresentarem a seus superiores, tanto que acabei me tornando cooperadora dos Arautos. Essa mentira absurda, posso desmascarar com experiência própria de vida. E o que fiz para meus filhos serem assim? Ouvi os ensinamentos da minha mãe e procurei preparar meus filhos para a vida, procurei dar boa educação para eles em casa, sempre fiz questão que se sentissem amados, sempre dei atenção a eles e sempre os tratei de acordo com suas idades ( pais: adolescente de 13 anos NÃO é bebe de 13 meses – nossos filhos crescem e não se preocupem, mesmo assim sempre serão nossos príncipes e princesas) talvez por isso, essa vergonha não faça parte da vida dos meus filhos. Dou graças a Deus por isso.

  17. Esse fenómeno em que os filhos tem “vergonha dos pais”, verifica-se até na seita anti arautos. Os ex arautinho(a)s preferem falar no anonimato para não serem associado(a)s ás progenitoras histéricas.

    1. Boa Ignatius!!!!
      Apesar de já terem passado da idade do fenômeno, os sintomas parecem ser permanentes na seita anti arautos. Também, só louco(a) para aguentar progenitores tão desequilibrados e odientos….

  18. Essa vergonha que os filhos sentem pelos pais, me faz lembrar um filme antigo do Mazzaropi. Ele e a esposa eram muito pobres,mas trabalharam muito para pagar os estudos do filho na universidade. Quando o filho se formou ,não mandou o convite de formatura para os pais. Eles mesmo assim partiram para a capital para irem assistir à formatura.Quando chegaram ao local da festa disseram ao porteiro que eram os pais de tal formando assim.O porteiro entrou em contato com o filho e este disse que não conhecia aqueles dois.O filme termina com o casal dando meia volta e indo embora cabisbaixos,E o público do cinema ficou com pena do casal.”Que filho ingrato!Assim são os filhos”.

    1. É isso mesmo que acontece com os adolescentes. Quem é pai sabe disso. Graças a Deus meus filhos não são assim,por terem tido formação nos Arautos. Agradeço ao Monsenhor sobretudo, e a todos os que são formadores nos Arautos. Quem nos dera que todas as crianças pudessem ter essa oportunidade,o mundo seria outro.

  19. E mesmo pesando no bolso não vão enxergar que estão errados. É o cabresto do orgulho. Só um “raio fulminante” de Graças para quebrar essa rocha de orgulho.

  20. Esta canalha não aprende. Podem baixar uma biblioteca para provar qualquer coisa, mas eles nem ligam. O remédio é ensina-los do modo mais simples para eles, da maneira como eles entendem, fazendo pesar no bolso….

  21. Trecho do artigo:
    “Ao final de tudo, qualquer pessoa de bom senso poderá perceber que, enquanto certas criaturas da ‘quadrilha-antiarautos’ fazem um escarcéu, pessoas normais lidam com isso dando risadas…”
    MÁSCARA SÓ CAINDO!!!

    1. os mesmos clichés de sempre. Qualquer pai de adolescentes viveram em carne propria o que esta descrito no artigo. A origem da palabra adolescencia vem de “adolescer”. Sera que a seita vai culpar os Arautos tambem do pecado original? Da queima da Amazonia? Do plastico nos mares? Da caca de baleias? Por favor… me poupe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.